Compartilhe

7 filmes para arquiteto ver

7 filmes para arquiteto ver

Todos sabem que a vida, de nós arquitetos, não é fácil, longas horas debruçadas em pilhas de projetos, que por muitas vezes parecem insolucionáveis. O tempo é curto e os dias parecem não ter horas suficientes. Por isso, nada melhor aproveitar o pouco tempo livre, que nos resta, para buscar alguma inspiração. Então aqui vai uma lista de 7 FILMES QUE TODO ARQUITETO DEVERIA VER.

1) A origem (2011) – Em “A Origem”, Christopher Nolan nos apresenta como nos seus outros filmes, um bom jogo de linguagem cinematográfica. O objetivo do autor a todo o momento é fazer com que entendamos que a realidade não existe.Dentro do filme a arquitetura tem um papel fundamental, tanto para explicar a natureza paradoxal dos sonhos como para maravilhar o espectador com mudanças brutais nas leis da física.  O trabalho do arquiteto é então fundamental, que constrói cenários de sonhos, verdadeiras utopias mediante suas experiências próprias extraídas diretamente da linguagem da realidade. Por sua vez, constrói dentro do sonho, projetos que procura criar na realidade, os quais, uma vez construídos e difundidos, servem de alimento para novas utopias.

2) Medianeras (2011) – Este filme é construído sobre quatro pilares: a cidade (neste caso Buenos Aires), caótica, imprevisível, mas também atrativa / a solidão urbana, a convivência diária com desconhecidos perfeitos, que são indiferentes entre si / a tecnologia, pensada para nos conectar, paradoxalmente nos separa / a busca do amor, a dificuldade de duas pessoas que vivem na mesma quadra e são “almas gêmeas” se encontrarem. Além disto, o roteiro do filme possui ótimas cenas para quem gosta de arquitetura. Diálogos que nos apresentam um pouco sobre a arquitetura de Buenos Aires e outros que refletem o papel da Arquitetura no cotidiano das pessoas.

3) O Homem ao Lado (2009) – Este filme argentino foi realizado inteiramente em nada mais nada menos que na Casa Curutchet, em La Plata -Argentina- a única obra de Le Corbusier construída na América Latina. Neste sentido, a mesma casa torna-se a protagonista desta história que se desenvolve a partir de um desentendimento entre vizinhos, mas quando aplicado a um contexto com um fundo histórico como a casa Curutchet, toma uma dimensão muito dramática.

4) Niemeyer – A Vida é um Sopro (2007) – Filme que conta a história de uma das maiores personalidades brasileiras do século 20, o arquiteto Oscar Niemeyer. Através de depoimentos e entrevistas de gente importante, tanto ligadas às artes quanto à política nacional, o filme reconstruiu a carreira e a vida do maior ícone da arquitetura moderna brasileira que se tornou respeitado em vários países do mundo e admirado por grandes criadores. Assim, podemos ver como ele revolucionou a arquitetura, introduzindo a linha curva e as novas possibilidades de aplicação do concreto armado. O próprio artista contribui com depoimentos onde fala sobre questões metafísicas e políticas.

5) A Casa do Lago (2006) – A história se passa em Chicago e gira em torno de Kate Forster (Sandra Bullock), uma médica solitária que morava numa casa à beira de um lago. Ela passa a trocar cartas de amor com o novo morador da residência, o arquiteto frustrado Alex (Keanu Reeves). A casa é uma “caixa de vidro”, com toda a paisagem em volta, de modo que não há uma conexão entre o “nós” e a paisagem em que a Casa do Lago é o domínio e não a ligação.O filme utiliza alguns termos arquitetônicos que nós muitas vezes escutamos e repetimos sem saber o significado. Nesse pode-se aprofundar o conceito de: Palafitas, Painéis de vidro, Alicerce, Chalé, Estilo moderno, Condomínio, Pré-fabricadas, Canteiro de obras, Tijolo, Varanda, Deck, Escada, Alamedas, Granito, Alumínio, Janelas, Clarabóias, Persianas, Fiação, Projeto, Encanamento, Estrutura, Demolições, Escavações.

6) Esboços de Frank Gehry (2005) – Aqui, um artista do cinema é convidado para falar de um outro que é destaque da arquitetura. O cineasta Sydney Pollack (de Uma Secretária de Futuro) foi convidado pelo arquiteto Frank Gehry para realizar um documentário sobre sua vida e obra. Assim, as câmeras acompanham toda a trajetória do criador de prédios famosos, como o museu Guggenheim e o de Bilbao. Uma visão sensível sobre como as obras podem agir em harmonia com a paisagem urbana e com os sentimentos de seus criadores.

7) Metrópolis (1927) – Em 1927, um austríaco chamado Fritz Lang propunha uma realidade urbana caótica para o ano 2026, com uma cidade estratificada em que se pode reconhecer diferentes níveis sociais, cada um, representado por uma determinada arquitetura. Os elementos arquitetônicos utilizados no filme reforçam a ideia do diretor, através de uma linguagem formal que os supre (não substitui) a falta do som para a época. Hoje um clássico, com vocês: Metrópolis.

Bonus:

“The Architect” é um filme que aparentemente é simples e direto, um drama cotidiano. Mas, em realidade nos apresenta um olhar profundo da psique humana. De como as pessoas buscam conexão com os outros e constantemente falham na tentativa, pelos medos aos demais e a si mesmo. De como podemos perder o controle de nós mesmos, e começarmos a não saber quem somos. Os diferentes personagens de “The Architect” estão perdidos, não sabem o que querem, apenas demonstram a urgente necessidade de se sentirem conectados a algo ou alguém.

Este é um filme de atuações sutis e complexas, é bem mais do que é mostrado e do que é dito, não significa que o script não é eficiente, pelo contrário, cada frase, cada linha está aí para mostrar-nos um aspecto e um matiz da história e dos personagens. As atuações de LaPaglia, Davis e Rossellini, são excelentes, atores que sabem bem lidar com os silêncios e os espaços. A maneira em que nos mostram como cada um dos personagens se destroem por dentro é dura e difícil de assimilar.Definitivamente um filme para ver.

Fonte:

http://www.archdaily.com.br/

http://blogdacahu.com/2014/12/15/10-filmes-que-todo-arquiteto-deve-assistir/